Rui Torres_200x533Olá a todos. Sou o Rui Torres, conto com 61 anos e sou controlador de tráfego aéreo, reformado.

 

 

CURIOSIDADES DESPORTIVAS

Primeiro rali?

Foi o Rali das Hortênsias realizado na ilha de São Miguel em 1975, como navegador do João Massa, aos comandos de um Renault R8

 

Melhor resultado desportivo na carreira?

Como devem de imaginar… com tão poucos anos de ralis, não tenho assim tantos! (risos). Agora a sério, guardo num cantinho especial da minha memória as vitórias como piloto nas edições de 1982 e 1986 do Rali de Santa Maria e o título de campeão absoluto dos Açores, como navegador, em 1982, e os vice-campeonatos alcançados em 1981 (por ter optado não participar em Santa Maria, onde poderia ter somado uns pontinhos valentes que me garantiriam o título) e em 1983.

 

Carro de rali de sonho?

Um deles é um sonho já materializado: o meu Ford Escort Gr 4 que já está na minha garagem e com o qual tenho feito o ‘gostinho ao dedo’ quando o levo a alguns ralis. O outro é o Ford Fiesta R5!

 

O rali de sonho em que gostava de conduzir/navegar? Indicar qual e o papel que pretendia cumprir o sonho?

Efetivamente o Rali de Portugal, mas ao volante. Já participei no mesmo como navegador, por 4 vezes.

 

Aquela ‘estória’ nos ralis que sobressai sobre as restantes e que vai dar (ou já deu) para contar aos netos?

Na verdade, não me lembro de muitas que possam ser relatadas aqui, pois asneiras fizemos algumas.

Mas lembro-me e relatei isto a pouco tempo, que na minha terceira participação no Rali de Portugal com o Horácio Franco, fui duas semanas antes a servir de piloto e com o meu primo, tirar notas, por impossibilidade do Horácio. O carro era um “chaço”, um Morris Marina a diesel, e lá fomos todos contentes. Para além dos profissionais, muito poucos pilotos na altura treinavam tanto como nós e quase não se encontrava ninguém nos reconhecimentos. Andávamos sempre a fundo mesmo nas ligações para dar tempo de fazer tudo e no fim dos treinos já de regresso a Lisboa e feitos mais de mil quilómetros, constatamos que apenas um carro nos ultrapassou nos três dias completos tanto nos troços como nas ligações. Uma tal de… Michele Mouton num Audi 4. Éramos uns malucos!

Já como piloto e no Rali de Santa Maria em 87. A minha participação foi decidida a última da hora por insistência do Carlos Rodrigues (n.d.r. atual presidente da Câmara Municipal de Vila do Porto) pois encontrava-me em Lisboa a quase há um ano em formação. O carro estava parado na rua há muito tempo e foi reparado na noite do rali. Entregaram-me o carro pronto apenas na hora da partida, quando já eu estava de fato vestido, sentado a porta de casa à espera. Foi com borrachas dos travões feitas a tesoura e com molas tiradas duma cama de ferro do aeroporto que fizemos o rali, num carro que, ainda por cima, não tinha marcha atrás e não se podia desligar o motor pois só pegava de empurrão. No fim a vitória a geral soube muito melhor e é a melhor recordação que tenho dos quase 150 ralis que fiz em toda a minha carreira.

Rui Torres - oldie

Recordações (esq.p/dta.) Alberto Barros, Manuel Lemos, o mecânico milagreiro que arranjou o carro de Torres, Rui Torres e Carlos Rodrigues

 

 

OUTRAS CURIOSIDADES

Hobby(ies, para além dos ralis)

Os meus hobbies estão maioritariamente relacionados com automóveis e com corridas. Sou preparador e adoro um bom restauro de um carro antigo!

 

Rui Torres ao volante do seu Ford Escort MKII (Foto: Délia Bettencourt)

Rui Torres ao volante do seu Ford Escort MKII (Foto: Délia Bettencourt)